Skip to content

Capa e trecho do 1º cap. de Amante Revelado – IAN 4

08/12/2010

Heeeeeey pessoas! Passeando pela net nessa madrgugada, eu achei algumas coisas interessantes! Me desculpem se isso é noticia velha pra vcs, mas como pra mim não é…

Um pedaço da capa de Amante Revelado, livro do Butch e a Malarissa.

EEEEEEEEEEEEEEEEE Um trecho do primeiro capítulo *rebola*

Capítulo 1

– E se eu lhe dissesse que tenho uma fantasia?

Butch O’Neal baixou o copo de uísque e olhou para a loura que falara com ele. Destacava-se no cenário da área VIP do ZeroSum, vestida com tiras de couro branco envernizado, um misto de Barbie e Barbarella¹. Era difícil dizer se era uma das profissionais do clube ou não. O Reverendo só lidava com material de primeira, mas era possível que ela fosse modelo da FHM² ou da Maxim³.

A mulher apoiou as mãos sobre a superfície de mármore da mesa e inclinou-se para ele. Seios perfeitos, os melhores que o dinheiro podia comprar. E seu sorriso era radiante, uma promessa de atos realizados de joelhos. Paga ou não, ali estava uma mulher cheia de vitamina D e curtindo isso.

– E então, meu querido? – a voz dela se elevou sobre a hipnótica batida techno

– O que me diz de transformar meu sonho em realidade?

Ele sorriu contrafeito. Com toda certeza, ela faria alguém muito feliz naquela noite. Provavelmente, vários. Contudo, ele não seria mais um.

– Sinto muito, mas terá de pregar em outra freguesia. A total falta de reação da loura determinou sua condição de profissional. Com um sorriso vazio, rebolou até a mesa seguinte e pôs em ação a mesma abordagem.

Butch inclinou a cabeça para trás e engoliu o que restava de Lagavulin no copo. Seu próximo movimento foi gesticular para chamar a atenção de uma garçonete. Ela nem precisou se aproximar, apenas assentiu com a cabeça e correu até o bar para lhe trazer outro.

Como eram quase três da madrugada, o restante do trio chegaria em meia hora. Vishous e Rhage estavam caçando redutores, aqueles filhos da mãe desalmados que buscavam aniquilar a espécie deles, mas, provavelmente, os dois vampiros apareceriam ali desapontados. A guerra secreta entre seus semelhantes e a Sociedade Redutora esfriara em janeiro e fevereiro, com poucos matadores em circulação. O que significava boa notícia para a população civil de vampiros. E motivo de preocupação para a Irmandade da Adaga Negra.  

– Olá, tira – a voz grave e masculina veio da direita, por trás da cabeça de Butch.

Butch sorriu. Aquele som sempre o fazia pensar em neblina noturna, do tipo que esconde o que vai matar você. Que bom que curtia o lado sombrio.

– Boa noite, Reverendo – disse, sem se virar.

– Sabia que você iria dispensar a garota.

– Lê mentes?

– Às vezes.

Butch olhou por cima do ombro. O Reverendo ocultava-se entre as sombras, olhos cor de ametista brilhando, corte moicano rente ao crânio. Seu terno negro era belo: Valentino. Butch tinha um igual.

Embora, no caso do Reverendo, o rico traje houvesse sido comprado com seu próprio dinheiro. O Reverendo, aliás Rehvenge, irmão da shellan de Z, Bella, era dono do ZeroSum e levava uma percentagem de tudo que rolava por lá. Caramba, com toda a depravação à venda naquele clube noturno, dava para imaginar a montanha de dinheiro que levantava todas as noites.

– Que nada, na verdade, ela não faz seu gênero. o Reverendo sentou-se à mesa de Butch, alisando o perfeito nó da gravata Versace. – E eu sei a razão que o levou a recusá-la.

– Ah, é?

– Você não curte louras.

Não, não mais.

– Talvez eu simplesmente não tenha curtido essa garota.

– Sei o que quer.

Como o novo uísque de Butch acabava de chegar, ele arrebatou o copo rapidamente.

– Sabe?

– É meu trabalho. Confie em mim.

– Sem querer ofender, mas, nessa questão, prefiro que não.

– Direi a você o que faremos, tira. – o Reverendo se inclinou, aproximando-se dele, e cheirava muito bem. Cool Water de Davidoff era antigo, mas ótimo.

– Ajudarei-o, mesmo assim.

Butch pousou a mão sobre o musculoso ombro do macho:

– Só estou interessado em bartenders, amigo. Os bons samaritanos me dão alergia.

– Às vezes, só o oposto funciona.

– Então, estamos bem. – Butch indicou com a cabeça a multidão meio nua retorcendo-se, movidos a ecstasy e cocaína. – Todos parecem iguais por aqui.

Engraçado: durante seus anos no Departamento de Polícia de Caldwell, o ZeroSum havia sido um enigma para ele. Todo mundo sabia que o lugar era um antro de drogas e sexo. Mas ninguém no DPC tinha sido capaz de reunir evidências suficientes para obter uma ordem de busca… embora fosse possível, em qualquer noite da semana que se fosse lá, constatar dúzias de infrações, a maioria ocorrendo em conjunto.

Mas agora que Butch andava com a Irmandade, sabia o motivo. O Reverendo tinha muitos truques na manga quando se tratava de mudar a percepção que as pessoas tinham de eventos e circunstâncias. Como vampiro, podia limpar a memória de qualquer humano, manipular as câmeras de segurança e se desmaterializar a seu bel-prazer. Aquele cara e o negócio que controlava constituíam um alvo móvel, sem sair do lugar.

– Diga-me uma coisa – disse Butch –, como faz para que sua aristocrática família não saiba desse pequeno negócio noturno que dirige?

O Reverendo sorriu de maneira que apenas as pontas de suas presas ficaram à mostra.

– Diga-me uma coisa, como é que um humano conseguiu se tornar tão íntimo da Irmandade?

Butch inclinou o copo em deferência.

– Às vezes, o destino nos leva por caminhos realmente inacreditáveis.

– Sem dúvida, humano. Sem dúvida alguma. – quando o celular de Butch tocou, o Reverendo se levantou. – Mandarei uma coisa para você.

– A não ser que seja uísque, não quero, cara.

– Vai retirar o que disse.

– Duvido. – Butch pegou seu Motorola Razr e o abriu. – O que aconteceu, V.? Onde você está?

Vishous bufava como um cavalo de corridas, e, ao fundo, dava para ouvir o barulho do vento contra o carro a toda velocidade.

– Tira, estamos com sérios problemas.

Butch sentiu a adrenalina correndo em suas veias, acendendo-o como uma árvore de Natal.

– Onde você está?

– Longe do centro da cidade, temos uma emergência nos subúrbios. Os malditos assassinos começaram a caçar civis em suas residências.

Butch se pôs de pé num pulo.

– Estou indo praí…

– Uma ova que está. Fique aí. Só liguei para que não pensasse que estávamos mortos, por não chegarmos. Até mais tarde.

Desligou.

Butch voltou a se afundar no assento. Na mesa próxima à dele, um grupo de pessoas irrompeu em sonoras e alegres gargalhadas: alguma piada compartilhada as fizera soar como um bando de pássaros em revoada.

Butch olhou para o seu copo. Seis meses antes, não tinha coisa alguma em sua vida. Nem mulher. Nem familiares chegados. Nem um lar para chamar de seu. E o trabalho como detetive da divisão de homicídios estava acabando com ele. Então, foi demitido por brutalidade policial. Uniu-se à Irmandade por uma bizarra sucessão de eventos. Conheceu a única mulher que o deixou de quatro. E também passou por uma total renovação no guarda-roupa.

Pelo menos, essa última mudança fora para melhor e permanecera assim.

No princípio, as novidades serviram para mascarar a realidade, mas, nos últimos tempos, vinha notando que, apesar das diferenças, estava exatamente onde sempre estivera: nem um pouco mais vivo do que quando apodrecia em sua antiga vida. Ainda olhava de fora as coisas acontecendo, sem participar.

Entornando seu Lag, pensou em Marissa e naqueles louros cabelos, que lhe batiam na cintura. Na sua pele pálida. Nos olhos azuis-claros. E nas presas.

Sim, nada de louras para ele. Não conseguia sentir-se remotamente atraído sexualmente por outra loura.

Ah, que inferno, que se danasse esse papo de cabeleireiro e tabela de cores. A verdade era que nenhuma mulher naquele clube ou na face da Terra chegava aos pés de Marissa. Era pura como um cristal que reflete a luz, e a vida ao redor dela melhorava, animava-se, iluminada por sua graça.

Droga. Que idiota ele era.

Só que, cara, ela era tão adorável. Pelo curto tempo em que Marissa pareceu atraída por ele, teve esperanças de que os dois poderiam dar certo. Mas logo ela desapareceu. O que, é obvio, provou que ela era inteligente. Não tinha muito a oferecer a uma mulher como ela e não apenas por ser um mero humano. Encontrava-se entre dois mundos, sem pertencer, de fato, a um deles: debatia-se nas águas à margem da Irmandade, impossibilitado de combater lado a lado com os Irmãos, limitado por sua condição; incapaz de voltar para o mundo dos humanos porque sabia demais. E a única maneira de sair desse árido meio-termo era com uma etiqueta de necrotério amarrada ao dedão do pé.

O que não fazia dele propriamente um bom candidato em sites de relacionamento, não é?

Outra onda de hilaridade agitou os convivas da mesa vizinha, e Butch os olhou. No centro do grupo havia um franzino homem louro, vestindo um terno alinhado. Parecia ter uns quinze anos, mas, no último mês, havia sido um assíduo frequentador da área VIP, esbanjando dinheiro a rodo.

Obviamente, compensava suas deficiências físicas com a carteira recheada. Um exemplo vivo das maravilhas que o dinheiro pode fazer pela aparência.

Butch terminou o uísque, chamou a garçonete, e ficou olhando para o fundo do copo. Droga. Mesmo após quatro doses duplas, sequer sentia-se levemente embriagado, o que indicava o seu elevado grau de tolerância ao álcool. Claro, pois agora já era um alcoólatra graduado, não mais um calouro.

E como tal constatação não o incomodou, compreendeu que havia deixado de se debater nas águas. Agora, estava afundando.

Bem, ninguém podia acusá-lo de não estar se esforçando para se divertir naquela noite.

– O Reverendo disse que você precisa de uma amiga.

Butch nem se deu ao trabalho de olhar para a mulher.

– Não, obrigado.

– Por que não me olha primeiro?

– Diga ao seu chefe que agradeço sua… – Butch ergueu a vista e calou-se de repente.

Reconheceu a mulher no ato. E nem poderia ser de outra forma: a chefe de segurança do ZeroSum certamente era inesquecível. Devia medir, fácil, fácil, um metro e oitenta de altura. Trazia o cabelo negro azeviche num corte masculino. Os olhos eram de um cinza escuro semelhante ao cano de uma espingarda. A camiseta que usava revelava a parte superior do corpo de uma atleta, toda músculos e veias, nada de gordura. Passava a impressão de ser boa de briga e curtir isso. Distraído, olhou-lhe as mãos. Dedos longos e fortes. Do tipo que podiam machucar.

Que inferno… gostaria de ser machucado. Naquela noite, gostaria que a parte do corpo a lhe doer fosse o exterior, para variar.

A mulher sorriu ligeiramente, como se soubesse o que estava pensando, e ele vislumbrou o brilho de presas. Ah… então, não era uma mulher. Era uma fêmea. Uma vampira.

O Reverendo tinha razão, aquele filho da mãe. Aquela iria funcionar, porque era tudo que Marissa não era. E porque era o tipo de sexo anônimo que Butch tinha tido durante toda sua vida adulta. E porque era justamente o tipo de dor que estava procurando sem saber.

Quando deslizou a mão para o interior de seu terno Ralph Laurent Black Label, a fêmea fez que não com a cabeça.

– Não faço isso por dinheiro. Jamais. Considere como um favor a um amigo.

– Nem a conheço.

– Não é você o amigo a que me refiro.

Butch olhou por cima do ombro dela e viu Rehvenge observando-o do outro lado da área VIP. O macho lhe lançou um sorriso, satisfeito com si mesmo, e depois desapareceu dentro de seu escritório particular.

– Ele é um bom amigo – murmurou a fêmea.

– Oh, não diga. Como se chama?

– Isso não é importante – estendeu-lhe a mão. – Venha, Butch, aliás Brian, de sobrenome O’Neal. Venha comigo. Esqueça por um momento o que quer que seja que o faz beber essas doses de Lagavulin. Prometo-lhe que toda essa autodestruição estará lhe esperando quando voltar.

Cara, realmente não estava com ânimo de averiguar o quanto ela sabia sobre ele.

– Por que não me diz seu primeiro nome?

– Esta noite pode me chamar de Symphathy. Que tal?

Examinou-a da cabeça aos pés. Usava calça de couro. Não se admirou. – Por acaso tem duas cabeças, Symphathy?

Ela riu, um som grave e cheio.

– Não, e tampouco sou um travesti. O seu não é o único sexo que pode ser forte.

Encarou fixamente aqueles olhos cor de ferro fundido. Depois, desviou a vista para os banheiros privativos. Meu Deus… aquilo lhe era tão familiar. Uma rapidinha com uma estranha, um embate sem sentido entre dois corpos. Era àquilo, praticamente, que se resumia sua vida sexual até onde sua memória podia alcançar… só que não se lembrava de ter sentido antes aquela espécie de desespero doentio.

Não importava. Por acaso pretendia permanecer celibatário até bater as botas com seu fígado corroído? Só porque uma fêmea da qual não era digno não o queria?

Olhou para baixo, para suas calças. Seu corpo estava a fim. Pelo menos, essa parte da equação estava correta.

Butch se levantou da mesa, o peito frio como o chão no inverno.

– Vamos.

Com um belo acorde de violinos, a orquestra de câmara iniciou uma valsa e Marissa observou a cintilante multidão aglomerar-se no salão de baile. Ao seu redor, machos e fêmeas se juntavam, mãos unidas, corpos próximos, olhos nos olhos. A mescla de dezenas de essências de vinculação carregava o ar como uma intensa fragrância.

Respirou pela boca, tentando não inalar muito daquilo.

Entretanto, tal cuidado provou ser inútil, visto como as coisas funcionavam. Embora a aristocracia se orgulhasse de suas boas maneiras e estilo, a glymera estava, afinal de contas, sujeita às verdades biológicas da raça: quando os machos se vinculavam, seu sentimento de posse tinha um aroma. Quando as fêmeas aceitavam seus parceiros, levavam essa obscura fragrância em sua pele com orgulho.

Ou, pelo menos, Marissa presumia que era com orgulho.

Dos cento e vinte e cinco vampiros no salão de seu irmão, era a única fêmea sem companheiro. Havia um grupo de machos sem companheira, mas jamais a convidariam para dançar. Para aqueles princeps, era melhor permanecerem fora da dança ou conduzirem suas mães ou irmãs à pista de baile, do que se aproximarem de Marissa.

Não, era eternamente indesejável, e, quando um casal passou rodopiando bem diante dela, baixou a vista por educação. A última coisa que precisava era que tropeçassem um no outro, enquanto evitavam olhá-la nos olhos.

Enquanto franzia o rosto, não fazia ideia da razão de sua posição de perpétua espectadora lhe parecer especialmente penosa naquela noite. Pelo amor de Deus, nenhum membro da glymera ousara olhá-la nos olhos durante quatrocentos anos e já estava acostumada a isso. No princípio, havia sido a desprezada shellan do Rei Cego. Agora, era sua desprezada ex-shellan, trocada por sua amada rainha mestiça.

Talvez, finalmente estivesse cansada de ser deixada de fora.

Com as mãos trêmulas e os lábios apertados, recolheu a pesada saia do vestido e dirigiu-se para a grande arcada do salão de baile. A salvação estava ali fora, no vestíbulo, e foi com alívio que abriu a porta da sala de toalete das senhoras. A atmosfera que a saudou cheirava a frésias e perfume, e naquele abraço invisível havia… apenas silêncio.

Graças à Virgem Escriba.

A tensão diminuiu um pouco enquanto entrava e olhava ao redor. Sempre tinha pensado naqueles aposentos particulares da mansão de seu irmão como vestiários luxuosos para debutantes. Decorados com motivos da Rússia czarista, a sala de estar vermelho-sangue e o toucador estavam equipados com dez penteadeiras iguais, providas de tudo que uma fêmea precisaria para retocar sua aparência. Nos fundos, as cabines dos lavatórios individuais, decoradas cada qual segundo um ovo Fabergé diferente, pertencentes à extensa coleção de seu irmão.

Perfeitamente feminino. Perfeitamente adorável.

Parada em meio a tudo aquilo, queria gritar.

Em vez disso, mordeu os lábios e se inclinou para examinar o cabelo em um dos espelhos. A cabeleira loura, que lhe chegava à cintura, quando solta, estava arrumada com a precisão de um relojoeiro no alto da cabeça, e o coque se mantinha firme. Mesmo após várias horas, tudo estava em seu lugar, os fios de pérolas entrelaçados às madeixas por sua doggen encontravam-se exatamente onde estavam no início do baile.

Por outro lado, sua posição de mera espectadora não tinha muito como desafiar seu penteado a la Maria Antonieta. Mas seu colar estava desalinhado novamente. Ajeitou o colar de pérolas de várias voltas de maneira que a última, uma gota taitiana de vinte e três milímetros, apontasse diretamente para o pequeno decote que tinha.

O vestido cinza-pombo era um clássico Balmain, que havia adquirido em Manhattan, nos anos 1940. Os sapatos, de Stuart Weitzman, eram novos em folha, embora ninguém pudesse vê-los, escondidos pelo traje longo. O colar, os brincos e braceletes eram da Tiffany, como sempre. Quando seu pai descobriu o grande Louis Comfort no final dos anos de 1800, toda a família se tornou clientela fiel da companhia, e permanecia assim.

Essa era a marca registrada da aristocracia, não? Tradição e qualidade em todas as coisas, novidades e defeitos sendo recebidos com olhares de desaprovação.

Endireitou-se e se afastou até que pôde se ver de corpo inteiro do outro lado da sala. A imagem que a olhava de volta era irônica: seu reflexo era de absoluta perfeição feminina, uma beleza improvável que parecia esculpida, não natural. Alto e esbelto, seu corpo formava ângulos delicados, e seu rosto era absolutamente sublime, uma irretocável combinação de lábios, olhos, maçãs do rosto e nariz. A pele que cobria tudo isso era como alabastro. Os olhos, de um azul prateado. O sangue que lhe corria nas veias, um dos mais puros da espécie.

Mesmo assim, ali estava ela. A fêmea desprezada. Deixada para trás. Indesejada, defeituosa, uma solteirona virgem que nem um guerreiro de raça pura como Wrath tinha podido suportar sexualmente sequer uma vez, nem mesmo para livrá-la de ser uma intocada. Como fora repudiada, ficaria para sempre sem companheiro, embora tivesse estado com Wrath o que lhe pareceu uma eternidade. Era preciso ser tomada para ser considerada shellan de um macho.

A ruptura deles fora e não fora uma surpresa para todos. Apesar de Wrath declarar que ela o tinha deixado, a glymera sabia a verdade. Mantivera-se intacta por séculos, sem jamais ser marcada pela essência da vinculação, sem jamais ter passado um dia a sós com ele. Além do mais, nenhuma fêmea teria deixado Wrath voluntariamente. Ele era o Rei Cego, o último vampiro de raça pura do planeta, um grande guerreiro e um membro da Irmandade da Adaga Negra. Ninguém estava acima dele.

A conclusão da aristocracia? Algo tinha de estar errado com ela, algo que estivesse oculto sob suas roupas, e essa deficiência era provavelmente de natureza sexual. Por que outra razão um guerreiro de sangue quente não havia sentido qualquer impulso erótico por ela?

Respirou fundo. De novo. E de novo.

O aroma das flores recém-cortadas invadiu suas narinas, aquela doçura avassaladora assumindo o controle, substituindo o ar… até que só a fragrância chegava aos seus pulmões. Pareceu-lhe que a garganta fechava, como se tentasse resistir àquele assalto, e puxou o colar. Apertado… sentia-se tão sufocada com ele em seu pescoço. E pesado… como se mãos a estrangulassem… Abriu a boca para respirar, mas de nada adiantou. Seus pulmões estavam obstruídos com o cheiro das flores, tomados por ele… estava sufocando, afogando-se, embora não estivesse na água…

Com as pernas fraquejando, caminhou para a porta, mas não podia enfrentar os casais que dançavam, aquelas pessoas que definiam quem era ao relegá-la ao ostracismo. Não, não podia deixar que a vissem… perceberiam como estava alterada. Veriam como aquilo era penoso para ela. E, então, a desprezariam ainda mais.

Seus olhos percorreram a sala de toalete das senhoras, saltando de objeto em objeto, ricocheteando pelos espelhos. Freneticamente, tentou… o quê? Aonde poderia… ir? Para o quarto, o andar de cima… Tinha que… Oh, Deus… não conseguia respirar. Morreria ali, naquele instante, sua garganta estava se fechando como um punho.

Havers… seu irmão… precisava chegar até ele. Era médico… Poderia ajudá-la… mas, o aniversário dele seria arruinado. Arruinado… por causa dela. Tudo se arruinava por causa dela… Tudo era culpa sua… Tudo. Toda a desgraça que carregava era culpa sua… Graças a Deus que seus pais haviam morrido há séculos para não testemunhar o que… ela era…

Ia vomitar. Definitivamente, ia vomitar.

Com mãos trêmulas e pernas bambas, cambaleou até um dos banheiros e fechou-se dentro dele. Antes de chegar ao vaso sanitário, esbarrou na pia e aproveitou para abrir a torneira, o barulho da água disfarçaria os sons de sua áspera respiração no caso de alguém entrar. Depois, caiu de joelhos e inclinou-se sobre o vaso.

Sentia ânsia, sobrevinham-lhe espasmos secos, e de sua garganta nada saía além de ar. O suor brotava de sua testa, sob os braços e entre os seios. A cabeça girava, a boca aberta lutava por ar, enquanto lhe ocorriam pensamentos de que estava morrendo e não havia alguém para socorrê-la, que arruinaria a festa de seu irmão, de ser uma coisa abominável… pensamentos que mais pareciam um enxame de abelhas… abelhas em sua cabeça, zumbindo, picando… causando-lhe a morte… pensamentos como abelhas…

Marissa começou a chorar, não porque achasse que iria morrer, mas porque sabia que isso não aconteceria.

Deus, os ataques de pânico haviam sido brutais naqueles últimos meses, sua ansiedade, um perseguidor sem forma sólida, cuja persistência não se esgotava nunca. E cada vez que tinha uma recaída, a experiência era uma nova e horrível revelação.

Pondo a cabeça entre as mãos, soluçou roucamente, as lágrimas escorrendo por seu rosto e empapando as pérolas e diamantes do pescoço. Era tão sozinha. Prisioneira num belo, rico e luxuoso pesadelo, onde o bicho-papão usava smoking e os abutres se precipitavam com asas de seda e cetim para lhe bicar os olhos.

Inspirando fundo, tentou controlar sua respiração. Calma… fique calma. Você está bem. Já passou por isso.

Após um instante, olhou para o vaso. Era de ouro maciço e suas lágrimas faziam com que a superfície da água ondeasse como se ali brilhasse a luz do sol. Abruptamente, deu-se conta de que o piso duro machucava seus joelhos. E que o espartilho lhe beliscava as costelas. E que sua pele estava pegajosa.

Levantou a cabeça e olhou ao redor. Bem, quem diria. Havia escolhido a sua cabine favorita para desmoronar, aquela que era inspirada no ovo Lírios do Vale. Ao sentar-se sobre o vaso, viu-se rodeada de paredes corderosa pintadas a mão com brilhantes trepadeiras verdes e pequeninas flores brancas. O piso, a bancada e a pia eram de mármore rosa raiado de branco e creme. Os candelabros eram de ouro.

Muito lindo. Na verdade, o cenário perfeito para um ataque de ansiedade. Pois, ultimamente, o pânico combinava com tudo, não é? Tal como a cor negra, caía bem em quase todas as ocasiões.

Marissa se obrigou a levantar-se, fechou a torneira e desabou na pequena cadeira forrada de seda que havia no canto. Seu vestido se esparramou em volta dela, como se fosse um animal se espreguiçando, agora que todo o drama havia passado.

Olhou seu reflexo no espelho. Tinha o rosto manchado e o nariz vermelho. A maquiagem estava destruída. O cabelo, terrivelmente bagunçado.

Certo. Então era aquele o estado de seu íntimo; não era de admirar que a glymera a desprezasse. De alguma forma, sabiam que aquela era a verdadeira Marissa.

Deus… talvez fosse por isso que Butch não a quisera…

Oh, que inferno. Não. A última coisa que precisava era pensar nele naquele momento. O que tinha de fazer era endireitar-se o melhor que pudesse e correr para o seu quarto. Claro que não era de bom tom se esconder, mas, devido à sua aparência, não tinha outro remédio.

Justo quando começava a ajeitar o cabelo, escutou a porta da sala de toalete se abrir, a música de câmara se elevando para, logo depois, silenciar-se, quando a porta voltou a se fechar.

Que maravilha. Agora estava presa. Mas, talvez, fosse apenas uma fêmea, então, não teria de se preocupar por estar escutando as escondidas.

– Não posso acreditar que manchei minha estola, Sanima.

Ok. Agora, além de covarde, era bisbilhoteira.

– Quase não se percebe – disse Sanima. – Embora, graças à Virgem, você tenha notado antes que alguém mais o fizesse. Vamos entrar aqui e passar um pouco de água.

Marissa obrigou-se a se concentrar. Não se preocupe com elas, apenas arrume o cabelo. E, por amor à Virgem, dê um jeito nesse rímel. Está parecendo um panda.

Pegou uma toalha e umedeceu-a silenciosamente, enquanto as duas fêmeas entravam na cabine em frente. Obviamente, haviam deixado a porta aberta, pois o som de suas vozes não baixou.

– Mas, e se alguém reparou?

– Shh… tire a estola… Oh, meu Deus – escutou-se uma risada suave. – Seu pescoço.

A voz da fêmea mais jovem baixou até se tornar um sussurro abafado.

– Foi Marlus. Desde que nos unimos no mês passado, tem estado…

Agora a risada era compartilhada.

– Ele a procura frequentemente durante o dia? – o tom reservado de Sanima não escondia seu deleite.

– Oh, sim. Quando disse que queria que nossos quartos fossem conectados, não entendi por quê. Agora, entendo. Ele é… insaciável. E ele… não deseja só se alimentar.

Marissa se deteve com o pano embaixo do olho. Apenas uma vez havia conhecido a fome de um macho por ela. Um beijo, apenas um… do qual guardava a lembrança como um tesouro. Iria morrer virgem, e aquele breve contato de bocas seria toda a sua experiência de natureza sexual.

Butch O’Neal. Butch a beijara com… Pare.

Passou a se ocupar do outro lado do rosto.

– Que maravilha, estar recém-unida. Embora não deva deixar que ninguém veja essas marcas. Sua pele está macerada.

– Por isso me apressei a vir aqui. E se alguém me dissesse para retirar a estola por eu ter derramado vinho nela? – isso foi dito com o tipo de horror que normalmente se reserva aos acidentes que envolvam facas.

Embora, conhecendo a glymera, Marissa pudesse entender muito bem o porquê de evitar chamar sua atenção.

Deixando a toalha de lado, tentou voltar a arrumar o cabelo… e desistiu de tentar não pensar em Butch.

Deus, teria adorado precisar ocultar as marcas de seus dentes dos olhos da glymera. Teria adorado manter aquele delicioso segredo de que, por baixo dos civilizados vestidos que usava, seu corpo conhecia-lhe o sexo cru. E teria adorado levar o cheiro de seu vínculo com ela na pele, enfatizando-o, como faziam as fêmeas unidas, escolhendo o perfeito perfume que o complementasse.

Mas nada disso iria ocorrer. Por um lado, conforme ouvira falar, os humanos não se vinculavam. E, mesmo se o fizessem, na última vez que o tinha visto, Butch O’Neal se afastara; então, já não estava interessado nela. Provavelmente porque tinha sabido de suas deficiências. Como era íntimo da Irmandade, sem dúvida estaria por dentro agora de todo tipo de coisas a seu respeito.

– Há alguém aí? – disse Sanima, em tom incisivo.

Marissa praguejou baixinho, percebendo que devia ter suspirado alto. Deixando de lado o cabelo e o rosto, abriu a porta. Quando saiu, ambas as fêmeas baixaram os olhos, o que, naquela circunstância, foi uma boa coisa. Seu cabelo parecia um desastre de trem.

– Não se preocupem. Nada direi – murmurou. Porque não se podia falar de sexo em lugares públicos. Na realidade, tampouco em lugares privados.

As duas fizeram uma reverência respeitosa e não responderam enquanto Marissa saía.

Assim que deixou a sala de toalete, sentiu que mais olhares a evitavam, desviavam-se dela… Especialmente os daqueles machos sem companheiras que fumavam em um canto.

Antes de dar as costas ao baile, percebeu o olhar de Havers através da multidão. Saudou-a com a cabeça e sorriu-lhe tristemente, como se soubesse que ela não suportava ficar nem um momento mais.

Meu querido irmão, pensou. Sempre a apoiara, nunca havia demonstrado qualquer indício de que se envergonhava dela. Poderia amá-lo só por terem os mesmos pais; mas o adorava, acima de tudo, por sua lealdade.

Com um último olhar para a glymera em toda a sua glória, foi para o seu quarto. Após um rápido banho, trocou de roupa, colocando um vestido longo mais simples e sapatos de salto baixo. Depois, desceu as escadas do fundo da mansão.

Podia lidar com o fato de não ser desejada, de ser casta. Se esse era o destino que a Virgem Escriba tinha escolhido para ela, que assim fosse. Havia vidas muito mais difíceis do que a dela, e lamentar-se sobre o que lhe faltava, considerando tudo que tinha, era enfadonho e egoísta.

O que não podia suportar era não ter um propósito. Ainda bem que ocupava um lugar no Conselho dos Princeps, e que sua posição estava assegurada devido à sua linhagem. Entretanto, havia outra forma de deixar uma indelével marca em seu mundo.

Enquanto digitava um código e destrancava a porta de aço, invejou os casais que dançavam no outro extremo da mansão e provavelmente sempre o faria. Só que não era esse o seu destino.

Tinha outros caminhos a trilhar.

[1] Personagem criada pelo quadrinista francês Jean Claude Forest, Barbarella teve a divulgação de sua HQ de estreia, em 1962, proibida na França. Aos poucos, entretanto, ela foi conquistando espaço, inclusive por ir de encontro com o movimento feminista daquele período. Em 1968, chegou a ganhar uma versão para o cinema, estrelada pela atriz Jane Fonda, que se transformou em símbolo sexual da época ao interpretar a ninfomaníaca agente do século XL. (N.R.)
[2] For Him Magazine, revista voltada para o público masculino. (N.T.)
[3] Igualmente voltada para o público masculino, essa revista tem versões em mais de 30 países. (N.T.)
Fonte

 

2 Comentários leave one →
  1. Guardiã da Meia Noite permalink
    08/12/2010 09:47

    Adorei!!! e já copiei viu!!!

    Bjs!!!

Trackbacks

  1. Pedaço da capa e trecho do primeiro capítulo de Amante Revelado – BDB « Sucker for Vampires

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: